Arquitetura, Designers, Móveis

Arne Jacobsen

21 fev , 2013  

Arne Jacobsen nasceu no dia 11 de Fevereiro de 1902 em Copenhague, na Dinamarca, filho de pais Judeus em uma família de classe média. Inicialmente Arne Jacobsen queria ser pintor, mas por intervenção de seu pai, foi convencido a optar de vez por um ramo mais seguro, o da Arquitetura. Após um período como aprendiz de pedreiro com seu pai, Arne Jacobsen foi aceito na escola de Arquitetura da Academia Real Dinamarquesa das Belas Artes (Royal Danish Academy of Fine Arts), onde de 1924 à 1927 ele estudou com os também arquitetos e designers Kay Fisker e Gottlob Kaj.


  Royal Danish Academy of Fine Arts, Dinamarca.

Ainda enquanto estudava, Arne   Jacobsen em 1925 participou da   feira de arte em Paris, Exposition   Internationale des Arts Décoratifs   et Industriels Modernes, onde ele   ganhou uma medalha de prata   pelo projeto de uma cadeira.   Nesta viagem ele ficou fascinado   pela estética do pavilhão L’Esprit Nouveau (O Novo Espírito), do grande pioneiro Le Corbusier. Antes de sair da academia, Arne Jacobsen também viajou para a Alemanha, onde se familiarizou com a arquitetura racionalista de Mies van der Rohe e Walter Groupius. Seus trabalhos influenciaram seus primeiros projetos, incluindo seu projeto de graduação, uma galeria de arte, que lhe rendeu uma medalha de ouro. Depois de concluir a escola de arquitetura, ele trabalhou pela primeira vez na prática arquitetônica na cidade de Copenhague, para o arquiteto Poul Holsoe’s, onde juntos criaram o Enghave Parken (1928). Em 1929, em colaboração com o Flemming Lansen, ele ganhou uma competição, a Danish Architect’s Association ( Associação do Arquiteto Dinamarquês) por projetar a “Casa do Futuro” (foto) que foi construído em grande escala na exposição do Fórum Dinamarquês em Copenhague.

  O projeto “Casa do Futuro.”

É um projeto em forma de espiral, uma casa de teto plano, vidros e concreto, incorporando uma garagem privada, uma casa de barcos e um heliporto. Outras características marcantes deste projeto eram janelas que rolavam como janelas de automóveis, um tubo circular transparente para o
envio e o recebimento de cartas, uma cozinha equipada com refeições prontas. Arne Jacobsen, após esse projeto tornou-se reconhecido como um arquiteto ultramoderno.

INÍCIO DE CARREIRA E FUTURO PROMISSOR
Um ano após ganhar o premio pela “Casa do Futuro” , Arne Jacobsen criou o seu próprio escritório. Ele projetou a funcionalista Rothenborg House, que ele planejou com cuidado cada detalhe, uma característica comum em todos os seus trabalhos posteriores. Logo após ter aberto seu escritório ele ganhou mais um concurso, um complexo balneário em Klampenborg na costa de Oresund (O Som em português) ao norte de Copenhague. Os vários componentes desse resort se tornou o seu grande avanço público na Dinamarca, ainda estabelecendo-o como um dos principais defensores do estilo internacional moderno.

  Torre de salva-vidas de Bellevue.

Arne Jacobsen projetou tudo   desde as características das torres   salva-vidas, quiosques , vestiários,   cartões de temporada e até   mesmo os uniformes dos   funcionários. O ponto forte desse   projeto deveria ter sido uma torre   de vigia, com mais de cem metros   de altura com um restaurante giratório no topo, mas foi abandonado após enormes protestos locais. Este projeto de casas a beira mar tem como nome “BellaVista”, e foi descrito como “ O sonho de um estilo de vida moderno.” Mesmo contra a oposição do público naquela época, contra o seu estilo “avant-garde”, Arne Jacobsen passou a construir a Stelling House em Gammertorv, em umas das praças históricas de Copenhague. Embora o estilo modernista fora bastante contido neste projeto, mais tarde foi visto como um exemplo de modelo de construção em um ambiente histórico, que um dia causou tantos protestos. Certo dia, um jornal dinamarquês publicou que Jacobsen deveria ser “Proibido de dar vida a arquitetura.”.

Projeto de Aarhus City Hall.

Quando mais tarde, juntamente com Erick Moller, ele ganhou um concurso para a concepção de Aarhus City Hall, que foi outro projeto polêmico. Este projeto foi considerado muito moderno e muito anti-monumental. No final da obra, Arne Jacobsen teve que adicionar uma torre, assim comoDefinir imagem destacada
revestimento em mármore. Ainda assim, o Aarhus City Hall é considerado um dos seus projetos mais importantes até os dias atuais.

EXÍLIO DURANTE A II GUERRA MUNDIAL E O RETORNO TRIUNFAL

Durante a segunda guerra mundial, a escassez de materiais de construção começa a se tornar critica, ficando cada vez mais difíceis de obter e, em 1943, devido a sua origem judaica, Arne Jacobsen teve que abandonar o seu escritório e ir para exílio, para poder escapar da deportação planejada. Arne Jacobsen fugiu da Dinamarca, em um pequeno barco a remo em Oresund para a vizinha Suécia, onde por lá, Arne Jacobsen passaria os próximos dois anos. Neste período seu trabalho arquitetônico, acaba ficando mais limitado, criando apenas uma casa de verão para dois médicos da região. Em vez disso, Arne Jacobsen, passou a maior parte do tempo em que esteve na Suécia projetando tecidos e papéis de parede.
Quando a Segunda Guerra Mundial acabou, em 1945, Arne Jacobsen pôde voltar a Dinamarca e retomar a sua carreira de arquitetura. A Dinamarca estava com uma enorme necessidade de habitação para a população, e novos edifícios públicos, ambos com a mesma urgência, mas o mais urgente mesmo eram prédios espartanos, que tiveram que ser construídos o mais rápido possível.

  Soholm House’s, cojunto habitacional, onde Jacobsen morou até 1971, o ano de sua morte.

   Depois de alguns anos, Arne   Jacobsen tem sua carreira de   volta ao rumo certo, e cada vez   mais consolidada, e com novos   projetos como o complexo   Allehuseme de 1952 e a suas   Soholm House’s em Klampenborg,   de 1955, nesta época ele viveu   uma fase mais experimental, ele mudou-se para uma das casas em Soholm, e por lá viveu até o ano de sua morte, em 1971.

Outro de seus projetos, não menos importantes, é a escadaria central do prédio Municipal de Rodovre, onde Arne Jacobsen combina o uso de diferentes materiais: Arenito, dois tipos de vidro, metal pintado e aço inoxidável. Ela á muito conhecida, por ser suspensa do teto em hastes de aço vermelho-alaranjado, as laterais são cortadas a partir de chapa de 5 centímetros, pintadas de tom cinza-escuro, os degraus de apenas alguns centímetros de espessura, consiste em chapas de aço inoxidável, com o revestimento de borracha na parte superior para uma melhor aderência.
Na mesma época, Arne Jacobsen projetou Munkegaard School, que fica localizada no norte de Copenhague, na Dinamarca foi um de seus projetos mais ousados, a escola consiste de pavilhões ligados por corredores de vidros, disposto em um sistema de grade em torno de pátios pequenos. Ele recebeu uma atenção considerável nos círculos escolares internacionais, o que contribuiu ainda mais para a sua crescente reputação internacional.

  Escadaria central do prédio municipal de Rodovre.

A partir de 1956, Arne Jacobsen foi convidado especialmente, para se tornar um dos professores da faculdade onde se formara, a Academia Real de Arquitetura e Artes, em Copenhague. Depois disso, surgiram seus projetos mais reconhecidos mundialmente desde então, o Colégio de Santa Catarina, em Oxford e o Radisson Blu Royal Hotel, em Copenhague.
O Hotel Radisson SAS, em Copenhague, foi totalmente projetado por Arne Jacobsen, desde o prédio aos cinzeiros vendidos como souvenires, na loja do hotel. Iniciado no anos de 1956, e foi finalizado no ano de 1960, deste hotel surgiram grandes obras, que até hoje são consideradas clássicos do design, como a poltrona “Swan” (Cisne em português) e a poltrona Egg (Ovo em português), sem se esquecer da poltrona “Drop” (gota em português) e dos famosos talheres também desenhados por Arne Jacobsen.
Com o Radisson Hotel, construído entre anos de 1956 á 1960, à Arne Jacobsen foi dada a oportunidade de projetar o que tem sido chamado “ O Hotel de primeiro mundo em Design.”
Uma delegação de Oxford visitou o Radisson Sas Hotel, em busca do arquiteto perfeito para a construção do St Catherine’s College (Colégio de Santa Catarina.).

  Hotel Radisson, Dinamarca.

Essas atribuições começaram a   atrair a atenção de comissões de   outros países. A Câmara Municipal   de Rodovre garantiu-lhe um   convite para sua primeira   competição na Alemanha, seguido   por uma série de projetos   alemães. Eles logo ficaram   convencidos de que Arne Jacobsen era a escolha perfeita para o que buscavam. Novamente Arne Jacobsen projetou tudo, incluindo o jardim, até as escolhas de espécies de peixes para o lago do colégio.

MORTE INESPERADA, E OBRAS INACABADAS

Quando Arne Jacobsen morreu inesperadamente em 24 de Março de 1971, ele tinha uma série de grandes projetos em andamento. Estes incluíam uma nova Câmara Municipal em Mainz, na Alemanha, o Banco Nacional da Dinamarca e o Banco da Baixada Real da Dinamarca em Londres.  Esses projetos foram concluídos pela empresa Dissing + Weitling, uma empresa constituída por seus antigos funcionários Hans Dissing e Otto Weitling.

CLÁSSICOS DO DESIGN IMORTAIS

Arne Jacobsen ficou imortal não somente com suas obras de arquiteturas modernistas, seus prédios majestosos e imperiais, mas seu nome também ficou marcado na história dos “Clássicos do Design Mobiliário” com suas poltronas e cadeiras únicas. Todas as obras de Arne Jacobsen merecem respeito e admiração, porém vamos citar duas de suas mais famosas criações: A EGG CHAIR e SWAN CHAIR. Ambas as cadeiras foram criadas para o famoso hotel SAS Radisson, na Dinamarca, totalmente desenhadas por Arne Jacobsen, a Egg e a Swan chairs são as duas cadeiras mais famosas de Arne Jacobsen.

EGG CHAIR: Com traços orgânicos perfeitos, a Egg Chair é um clássico do design por se tratar de uma cadeira criada com um toque modernista, no qual Arne Jacobsen acreditava.

  Poltrona Egg, de 1958.

A Egg chair foi imortalizada na história do design por ser uma cadeira totalmente inovadora e única para a época, com a forma de um “Ovo”, a Egg chair é muito confortável e combina com qualquer ambiente. Com o passar dos anos, A Egg chair recebeu diversas personificações para garantir que a poltrona agrade a todos, e possa combinar com qualquer local, foram inseridas novas técnicas de revestimentos, novos tecidos como: sued, couro ecológico, mas suas características originais continuam as mesmas, preservando a originalidade do móvel.

SWAN CHAIR: Com traços leves e delicados, a Swan Chair é uma verdadeira obra de arte. Curvas perfeitas, acabamento impecável, perfeita para dar elegância a qualquer ambiente. Moldada em concha sem retas ou pontas, a Swan Chair foi projetada exclusivamente para o lobby do hotel Radisson na Dinamarca, mas com seus traços graciosos, a Swan acabou se tornando um marco mundial.

  Swan chair, outro marco de Jacobsen.

Em português Swan significa “Cisne”, e logo podemos perceber os traços únicos e delicados do que Arne Jacobsen quis transmitir. Com o passar dos anos a Swan também recebeu personalizações assim como a Egg, como tecidos diferenciados e até estampados, mas sempre mantendo os traços curvilíneos originais da peça, garantindo a originalidade e leveza da Swan.

Conheça agora, outros projetos de Arne Jacobsen.

  A Cadeira Ant, em português “Formiga”, possui traços bem especificos e garantem a originalidade da peça.

 

 

 

 

 A poltrona Ox, também desenhada pelo designer Jacobsen.

 

 

 

 Drop chair, também desenhada por Arne Jacobsen pro hotel SAS Radisson, na Dinamarca.

 

 

 Swan Sofa, outro marco de Arne Jacobsen na história do mobiliário.

 

 

 A cadeira Grand Prix.

 

 

 Com traços curvelíneos, está é a Lily chair.

 

 

 Criada em 1955, a Serie 7 se tornou um sucesso mundial no decorrer dos anos.

 

 

By


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *